A formação do músico católico é fundamental e a pedra principal é sua obediência e concordância litúrgica.
CASO O PLAYER DE ÁUDIO NÃO CARREGUE, ATUALIZE O NAVEGADOR ATÉ QUE SEJA ATIVADO O botão "PLAY".

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Como escolher Músicas para Missa com base no ensino 79 da CNBB e no Missal Romano - SALMO

Salmo
O Salmo Responsorial

Função: Para a Liturgia da Palavra ser mais rica e proveitosa, há séculos um salmo tem sido cantado como prolongamento meditativo e orante da palavra proclamada. Ele reaviva o diálogo da Aliança entre Deus e seu povo, estreita os laços de amor e de fidelidade. A tradicional execução do Salmo Responsorial é dialogal: o povo responde com um curto refrão aos versos sálmicos, cantados por um solista. Deve ser cantado ou proclamado do ambão.

Significado Litúrgico: Os Salmos, em número de 150, são partes integrantes da Liturgia da Palavra. Sempre estão em concordância com a Primeira Leitura, sendo uma resposta aos apelos desta, ou seja, o salmo é responsorial porque o povo, após ouvir a palavra de Deus na 1ª Leitura, responde em concordância com o que acabou de ouvir.

A palavra Salmo significa oração cantada e acompanhada de instrumentos musicais, originária das poesias colhidas da fé do povo israelita. É por isso que todo Salmo deve ser cantado e toda a assembléia deve responder cantando com um refrão.

O Salmo de resposta é parte integrante e insubstituível da Liturgia da Palavra, aliás tem estreitas ligações teológicas com a 1ª Leitura e existe, o Salmo, como exclusiva resposta a ela, como já foi exposto acima. É por isso que nenhum grupo de canto tem a autoridade de modificar o Salmo do dia.

O Salmo de resposta deve ser SEMPRE cantado, pois o mesmo é um canto originário do povo israelita. Quando o coro não souber a melodia do Salmo, o grupo deve adaptar a letra a outra melodia já conhecida.

Como o nome também sugere, o Salmo deve ter uma resposta do povo, onde o refrão deve ser cantado pelo povo.

Forma:
  • Há duas maneiras de se proclamar os versos dos Salmos: por versículos ou por estrofes.
  • No Hinário Litúrgico (fascículos 1, 2 e 3) encontram-se salmos e refrãos próprios para cada domingo do ano litúrgico (anos A, B e C). 
  • Outros Salmos e refrãos, com ou sem arranjos, podem ser usados, mais sempre em forma dialogal e em sintonia com o tempo litúrgico, a festa ou ocasião.
  • Como "parte integrante da Liturgia da Palavra", este Salmo é sempre um texto bíblico,comumente extraído do Saltério.
  • O canto do Salmo, ajustado à Leitura que o precede, não pode ser substituído, então, por um canto qualquer sobre a palavra de Deus, como durante um certo tempo se andou fazendo com os chamados "cantos de meditação", por falta, é claro, de cantos apropriados, o que não é mais o caso após a introdução do Hinário Litúrgico.
  • Para facilitar a acolhida da Palavra de Deus, é recomendável breve período de silêncio entre a leitura e o canto do Salmo Responsorial. 
Dicas:
  • É recomendável ao Salmista que ao "chegar" no ambão, faça um breve momento de silêncio e logo em seguida, diga o número do Salmo que será cantado.
  • Em caso de Ministérios de Música que tenham mais de dois cantores é recomendável que um deles se ponha na celebração apenas como salmista, ou seja, seu canto fique em exclusividade do Ministério do Salmo que deve ser a parte dos demais. O salmista, assim, não cante as outras partes da Missa, ficando o mesmo no altar e adentrando na procisão de entrada a frente e segurando a Cruz.
  • Uma boa introdução instrumental também é bem vinda antes de se iniciar o canto do Salmo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...